terça-feira, 2 de junho de 2009

Brasileiros estão aprendendo a conviver com a crise

A crise econômica mundial iniciada nos Estados Unidos vem afetando varias pessoas de varias regiões e países, segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho) cerca de 800 milhões de brasileiros já sofrem com desemprego.
Devido ao aumento das tensões sociais, dos conflitos, e do terrorismo, pessoas de todas as classes são afetadas pela avassaladora crise, uns de forma direta e outros indiretamente. Um dos motivos desse impacto que estamos sofrendo é devido a um sistema econômico que não funciona e atinge principalmente o sistema bancário que estava sofrendo uma quantidade muito grande de crédito imobiliário, o grande problema é que os bancos não faziam um bom estudo sobre as possibilidades financeiras dos clientes, achando que bastaria cobrar juros mais altos para se protegerem das inadimplências com isso os bancos ficaram mais cautelosos evitando o credito e cobrando mais caro por eles.
Mais nem só os bancos são afetados, como também a bolsa de valores que afeta a economia de duas formas, como por exemplo, as pessoas que investem na bolsa têm menos dinheiro para gastar e as empresas têm que procurar outras fontes de financiamento.
Apesar de a crise afetar boa parte das empresas empregadoras, os sindicatos estão procurando fazer negociações entre trabalhadores e empregadores. Segundo o (DIEESE) Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos no ano passado, um total de 706 categorias, ou seja, 77,6% obtiveram reajustes acima da inflação.
Para algumas pessoas não é tão satisfatório tal ajuste, é o que afirma Mariana Gomes, vendedora, “eles reajustam de um lado, porém cobram mais banco de horas e produção”. Já para outros a crise não me afeta em nada, na verdade essa crise nunca existiu, isso é coisa do nosso psicológico” diz Alex Ribeiro vendedor.
A discordância ocorre no mercado de trabalho, ou nas compras e vendas recíprocas dos vários setores considerando que tudo isso se realiza pela concorrência, o que podemos assegurar é que os ciclos econômicos continuarão a se repetir enquanto houver manipulação e não há sinal de isso possa mudar.


Angélica de Almeida
Antonio Espindola

A TELEVISÃO

A televisão como sabemos, teve um início cheio de inovações encantando a todos, começando destacando grandes artistas da música e do teatro como também deram destaques expressivos ao futebol.
Entretanto suas propagandas se limitavam em algumas décadas ao biotônico Fontoura, ao sabonete palmolive, ao creme dental Kolynos e outros que marcaram a publicidade da época.
Hoje vimos o que se destacam, são as propagandas de cervejas estampando mulheres nuas atraindo até mesmo as crianças como ponto negativo.
Muitas vezes deixando os desenhos e alguns programas que são muito bons no complemento da educação como segundo plano.
Mas é muito importante quando se mostra o esporte ele também é base de educação a todos, a informação é algo que não pode faltar no dia a dia das massas.
A televisão sempre tentou ser positiva, mas quando entra no mérito de sobrevivência parece que vale tudo, são inúmeros programas no decorrer do dia que apelam como aquelas fofocas da tarde, outro na noite mostrando desfiles de mulheres de roupas íntimas, novelas tentando direcionar a cultura e costumes, logo no final da noite entrando na madrugada a religião domina alguns canais ai você pode perceber uma apelação sem precedentes.

domingo, 31 de maio de 2009

DIPLOMA DE JORNALISMO

ARTIGO: DIPLOMA DE JORNALISMO
Antonio Sousa Espindola

Uma discussão sem precedentes promete ainda contrariar muitos e agradar outros na sociedade. De um lado os antigos jornalistas de renome, defendem a não obrigatoriedade do diploma de jornalismo, apoiado por grandes empresas jornalísticas que não querem abrir mão da experiência desses profissionais.

Seria uma catástrofe impedir antigos bons jornalistas, que muito ensinam as novas gerações de exercer sua tarefa de prestação e informação com exatidão diante dos fatos.
Por outro lado os milhares de alunos que buscam capacitação através do aprendizado temem terem seu diploma desvalorizado diante desse tema.
A exigência da graduação para o exercício da profissão de jornalismo foi estabelecida pelo decreto-lei 972 em 17 de outubro de 1969 e em outubro de 2001 foi concedida uma liminar contra o requisito do diploma específico, deixando uma sensação de banalismo da profissão.

Mas o que vale mesmo é a capacidade de produzir uma matéria com seriedade, buscando sempre a transparência para que o leitor não fique descrente do profissional, da mesma forma que existem profissionais que não possuem uma formação graduada e exercem seu trabalho com seriedade e compromisso com a ética profissional, existem também centenas de profissionais com diplomas exercendo outras linhas de trabalhos, por não terem capacidades de exercerem o que foi previamente escolhido, ou seja, estudaram mas não assimilaram a profissão. Existem também os jornalistas formados com capacidades, mas com falta de colocação no mercado de trabalho até mesmo por conta desta metamorfose da era digital.
Com a nova era e um provável fim do jornal impresso, ficam todos com uma sensação de não saber exatamente para onde seguirão com exercício profissional no âmbito da informação, é necessário que todos com a obrigatoriedade ou não do diploma procurem mostrar a massa o que realmente eles querem saber, a verdade.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

CEMITERIO DA COLONIA


A PRESERVAÇÃO E A HISTÓRIA DE UM MONUMENTO RESTAURADO

Localizado no bairro Colônia a 45 km do marco zero da cidade que fica na Praça da Sé, no extremo sul da cidade de São Paulo e fundado em 29 de junho de 1829, o cemitério da colônia passou por períodos de depredação e de restauração, hoje é administrado pela Associação Cemitério dos Protestantes que preserva a parte antiga tombada pelo patrimônio histórico.


Denise Fernandes de Lima escrituraria e responsável pelo acervo relata alguns fatos interessantes, desde que foi inaugurado em 29 de junho de 1829.

Com a chegada dos colonos alemães de aproximadamente 100 famílias na pequena vila colônia, localizada no extremo sul de São Paulo, “foi necessário à construção de um cemitério”, diz Denise, e logo na inauguração houve uma resistência pelo então Padre da região, que não sepultassem pessoas de outras religiões. Após alguns debates ficou estabelecido que dividissem o cemitério em duas partes. Uma para católicos e outra para seguidores de outras religiões.
Nos anos 70 o cemitério é abandonado e fechado, os alemães já eram poucos na pequena vila, por conta da miscigenação racial durante os anos e com a chegada de japoneses e outros povos por ali.

“Durante quase três décadas quando permaneceu fechado o vizinho conhecido por Mizão, tinha uma chave do cemitério e cuidava vindo aqui de vez em quando”, diz Denise, na reabertura do cemitério em 27 de outubro de 2001 pela Associação Cemitério dos Protestantes, como reconhecimento pelos trabalhos prestados deu à Mizão, um túmulo de três gavetas, que entraria para a história como parte do acervo, entretanto com o falecimento de seus três filhos nos anos seguintes, seu túmulo ficou completo e quando Mizão vem a falecer em 2007 é sepultado em um túmulo emprestado pela Associação.

A partir de 2001 com a nova administração do cemitério passa a ter uma parte tombada pelo Patrimônio Histórico e outra parte a ser comercializada pelo Serviço Funerário de São Paulo.

Guilherme Reimberg, diz, “sou descendente dos colonos alemães que se misturou com os caboclos da região” (no sentido de misturas de raças), ele diz ter ficado muito triste com o abandono do cemitério por quase 30 anos, que agora sim, está orgulhoso de sua família fazer parte de um monumento tão importante para complementar à história da cidade.


O túmulo de Antonio Vieira Machado guarda uma curiosidade, ele era funcionário de uma família alemã, “como gratidão pelos serviços prestados o sepultaram em um túmulo da própria família”, conta Denise. E ao questionar sobre a casinha que aparece na foto acima, “era um túmulo que por conta do vandalismo foi desativado” diz ela, já serviu de abrigo ao cão de guarda do cemitério, que agora abriga algumas cruzes e material tumular.

domingo, 17 de maio de 2009

JORNALISMO COLABORATIVO

JORNALISMO COLABORATIVO

Existe um grande debate para saber até onde podemos confiar no jornalismo colaborativo.

Um dos exemplos mais assustador foi a publicação da UOL, quando ocorreu o acidente da TAM em São Paulo.

O assunto ainda promete muitas divergências, pois existem casos do jornal errar o e o leitor mandar a correção.

Como podemos ver a idéia de um leitor de Pernambuco, de uma maneira geral o jornalismo colaborativo é sim uma boa ferramenta, mas tem que haver jornalistas experientes para conferir, analisar, checar, antes de mandar a matéria à massa.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

VIRADA CULTURAL-5


São Paulo, 7 de Maio de 2009

Virada Cultural e sua quinta Edição
No último dia 2 aconteceu em São Paulo a 5º edição da Virada Cultural, com mais de 800 espetáculos espalhados por 150 pontos da cidade, com a presença de artistas como os Panteras, Benito Di Paula, Wanderley Cardoso entre outros

Sábado 2 de Maio São Paulo parou, recebeu em 24 horas um público estimado em 4 milhões de pessoas, sendo 500 mil a mais que a edição de 2008.
No palco Toca Raul, um boneco de Raul Seixas, com mais de dois metros de altura foi o mestre de cerimônias. O show teve início com a banda, Os Panteras, com quem Raul iniciou sua carreira em 1967, cantando “Sonho que se sonha só”, a galera foi ao delírio. Raul Sousa, de 21 anos, estava ansioso, “minha mãe colocou meu nome em homenagem a Ele, adoro as canções de Raul”, disse o rapaz.
Na Avenida São João a multidão acompanha as canções de Jon Lori e orquestra Sinfônica Municipal, enquanto Fruto Proibido (1975) Tutti-Frutti mandava um rock na Praça da República.
Pessoas não paravam de chegar rapidamente e ocupando as ruas do centro, na Rua Xv de Novembro o DJ Adriano PS enlouquecia a galera com música eletrônica, no Viaduto do Chá o trânsito quase não andava, mas dessa vez de pedestres que apreciavam as estátuas vivas, muitos se utilizavam do viaduto para apreciar os espetáculos de dança no Anhangabaú, como Ágape-Sopro e Cia de Dança entre tantos.

Uma das estátuas vivas era do “Shurek”, representado por Francisco Diógenes, de 47 anos, “adoro ver as pessoas felizes, principalmente as crianças”, diz ele. Muitos anônimos roubavam a cena, como alguns índios na Rua Barão de Itapetininga, mas em troca de algumas moedas. Em frente à Faculdade de Direito no Largo São Francisco, a música eletrônica animava o público como Marcelo Castro, de 25 anos, na foto “estou adorando é a primeira vez que venho a São Paulo curtir a Virada Cultural”, disse Marcelo Castro, que mora em Campo Grande (MS).

No domingo, muito lixo espalhado e forte cheiro de urina por todo lado e muita reclamação das pessoas, o turista de Guiné-bissau (África), Alves de Aquino, de 44 anos, elogiou a iniciativa do evento, mas deixou seu recado, “é necessário ter mais banheiros e uma coleta mais adequada de lixo”. Os organizadores afirmam que as reclamações desta edição servirão para melhorar a Virada Cultural de 2010. Mas a festa não para, CPM 22 já animava a manhã na Praça da República com muito Rock, já no palco do Largo do Arouche, Bartô Galeno levanta o público com muita música brega.

No Vale do Anhangabaú um espetáculo com uma máquina retro escavadeira, ao som de música clássica, deixou a multidão perplexa como o estudante Emanuel Salles, de 25 anos, “muito diferente de tudo que já vi”, diz ele. O forró universitário animava público na Avenida São João, em cima de uma caminhoneta, o Trio Nordestino tocava canções de Luiz Gonzaga como ,“Ovo de Codorna, Asa Branca”, entre outras. Segundo um dos colaboradores do evento, Fábio Marques, 43 anos, “esse ano está mais animado”, disse ele comparando à Edição anterior da Virada Cultural.
Segundo os organizadores, como todo evento nessa proporção, alguns imprevistos foram apurados, como um furto e algumas brigas, por conta do consumo exagerado de bebidas alcoólicas. O “Rapa” GCM (Guarda Civil Metropolitana), apreenderam cervejas e um carrinho de pipoca dos ambulantes, com princípio de agressão partindo dos guardas, que só não piorou por conta da multidão ali presente, na Avenida São João, “tenho outro carrinho em casa”, disse o pipoqueiro Marcelo Mendes de 53 anos.
A tarde chega e com ela o final do evento, Wanderley Cardoso fecha no palco do Largo do Arouche e finalmente na Avenida São João um dos shows mais esperados, Maria Rita canta para aproximadamente 8 mil pessoas que prestigiaram e ovacionaram muito, até as 19h35.

segunda-feira, 2 de março de 2009

MOTOS E MORTES

São Paulo, 11 de Junho de 2008





Jornalista: Toninho Espindola, 42, cursa o primeiro semestre na habilitação de Jornalismo, do curso de Comunicação Social do Unisant’Anna Centro Universitário. Trabalha como administrador da empresa, Espindola moto peças e quer se especializar em Entrevistas e Pesquisas Jornalísticas.
E-mail: espindolamotopecas@hotmail.com





MOTOS E MORTES





Bem como um levantamento que fiz junto as pesquisas realizadas na SPtrans (São Paulo Transportes), do alto índice de mortalidades, mutilações e seqüelas, deixadas pelos constantes acidentes registrados na grande São Paulo, que só no ano de 2007 os números são assustadores. Que em acidentes envolvendo coletivos os números são:
Acidentes sem vitimas envolvendo coletivos, veículos e motos 1.707
Acidentes com vitimas envolvendo coletivos, veículos e motos 986
Acidentes com vitimas fatais entre coletivos, veículos e motos 56
Desses acidentes 60% estão entre motos e coletivos. Levando em conta que a quantidade de motos circulando ainda e de 40% em relação a quantidades de veículos, sinaliza o despreparo total dos condutores de motos, em uma cidade de proporções relevantes.
Segundo a fonte citada o Sr Porthos diz: “já estou acostumado a ver tanto motoqueiro perder suas vidas por conta de imprudência”.
Precisamos assim chamar atenção de órgãos competentes juntamente com a mídia a fim de alertar as pessoas que ao adquirirem moto, fiquem atentos às normas de segurança e aos cuidados no manuseio da mesma.



FONTE:
SPtrans – São Paulo transportes
Porthos R. V. de Farias
Função: controlador de tráfego

Introdução ao Jornalismo, Professora Mônica Martinez
Entrega de Pauta finalizada
Toninho Espindola
Jornalismo

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

FRANCISCO CAP. II


Como podemos ver na foto, Francisco realmente vem cumprindo com a promessa em se dedicar em amar e procriar e tão logo estaremos conhecendo os dois filhos de Francisco.

Menina segue firme, ao lado de Francisco, um exemplo de companheirismo. Na hora do milho, na hora de ciscar, na hora da água, faça chuva ou sol, eles sempre estão juntos.

Vamos juntos aguardarmos os próximos capítulos de Francisco.






Francisco (CAP.1)Nascido em Atibaia em cinco de Agosto de 2008, partiu para São Paulo em busca de uma vida melhor.Foi morar com a vovó Reinalda, onde logo de cara conheceu Menina, amor à primeira vista, se apaixonaram e foram morar juntos, dividindo o mesmo teto, o mesmo prato e a mesma água.Francisco não perdeu tempo e logo abraçou Menina, se amaram muito e estão compartilhando esse romance que tem tudo para ser duradouro.O Amor é mesmo lindo, ouvi dizer que Menina está grávida, vamos aguardar os resultados dos próximos capítulos de, Francisco.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

MOTOQUEIRO PERDE A VIDA 18/02/2009

Mais uma cena que vem se tornando constante em nossas ruas e rodovias. No km 24 da rodovia Raposo Tavares- São Paulo por volta do meio dia de hoje motoqueiro perde a vida.
As causas da queda ainda estão sendo apuradas.
Conforme imagens capitadas pelo internaulta Raul Espindola que transitava pelo local após o acidente.
Já passou da hora em tomarem providências em relacão a diminuição dessas mortes, concientizando motoristas aos riscos que motos oferecem diante de um trãnsito tão conturbado como o de São Paulo.
....imagens em andamento...

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

CEMITÉRIO


Lugar calmo com suas verdejantes árvores, pássaros cantando, uma linda coruja observa a tudo atentamente.
O vento sul sopra e levemente caem as folhas secas, como orvalho ao amanhacer.
Uma senhora aposta de sua sombrinha entre-laçada ao pulso entra e caminha bem devagar, de cabeça baixa e lágrimas aos olhos se dirige ao túmulo e um lindo botão de rosa deposita ao lado do retrato de seu único filho.
Vítima de uma bala perdida.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Infancia, Midia e Drogas

TONINHOESPINDOLA
ANGELICA DANTAS
MICHEL WAKIM
video

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

O Futuro do Jornal Impresso

O Jornal impresso caminha para a obscura estrada do fim. Casos não se adaptam às novas ideias e na rapidez em passarem as notícias aos leitores, perderão seu espaço para TV, Rádio e Internet. Meios esses que trazem a Notícia com rapidez e muitas vezes ao vivo que sem dúvida é bem mais cômoda e interessante.
Quando abrimos o Jornal, noventa por cento de seu conteúdo já é de nosso conhecimento. E como ficamos sabendo antes? Rádio, TV, Internet ou até mesmo por intermédio de alguém que soube por esses veículos.
O Jornal Impresso parou no tempo e com o pouco interesse de seus dirigentes não conseguem sair da ideologia arcaica.
Um dos fatores que se atribui a uma venda razoável é que, os fiéis leitores são de meia idade e ainda não estão ligadas às novas tecnologias. O mundo rapidamente vem tomando novos rumos e tão logo encontraremos as máquinas e alguns jornais impressos em grandes museus espalhados pelo planeta.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

LIXO NO PARAISO

Indo de encontro com as belezas naturais no Estado do Ceará, um lugar de águas mornas e praias encantadoras, foi quando me deparei com pontos positivos e também com o caus na educação dos turistas e dos próprios moradores que lucram com a presença desses turistas.
Na praia de Morro Branco, situada em Beberibe à aproximadamente 60 km de Fortaleza me deparei em plena praia, com uma obra embargada, porém encravada no meio de tanta beleza, uma vergonha para nós brasileiros uma vez que esta praia é também visitava por turistas estrangeiros.
Além da obra abandonada próximo as falesias, encontrei ainda muito lixo espalhado ao longo da praia. A prefeitura local deve ficar atenta a esses problemas que com certeza logo estará colaborando para o desaparecimento de turistas cientes do descaso para com a natureza.
.....as fotos dessa reportagem estarão disponíveis em algumas horas...

sábado, 7 de fevereiro de 2009

lixo no lixo


É muito triste percorrer as margens das rodovias no Brasil e se deparar com o descaso das pessoas que insistem em despejarem lixo de qualquer maneira em qualquer lugar.
Tanto se fala, tanto se pede, grandes campanhas para que as pessoas mudem os hábitos de colocar lixo no lixo mas, não adianta é só você olhar as margens das rodovias e das praias, é lixo para todo lado. É só parar cinco minutos para pensar na seguinte consequencia: Jogando o lixo nas ruas, o mesmo seguirá em direção aos bueiros, entupindo-os causando enchentes e expondo as pessoas á doenças como a leptospirose, doença essa transmitida pelo contato das pessoas com a urina dos ratos.
Esse lixo estará, com certeza, contaminando as águas, trazendo prejuízos a fauna e flora local.
Fico horas observando tudo isso e tentanto criar algo que mude o destino do planeta, pois o tempo está se esgotando e se nós não colocarmos o lixo em seu devido lugar, nós é quem iremos para o lixo.